Não acredito nas compensações de carbono

Não acredito nas compensações de carbono

7 de Abril, 2021 0

Planta

Talvez seja a única pessoa a pensar assim, mas não acredito em compensações de carbono.

Imaginem um pai que trabalha todos os dias até muito tarde, depois chega a casa e traz uma prenda para os filhos, que comprou numa loja para compensar o facto de não estar presente. Será que um brinquedo vai realmente resolver o problema da ausência? Não…

Também, nas compensações de carbono, uma empresa que vende, por exemplo, produtos feitos na China, faz os cálculos com uma calculadora de carbono e vê mais ao menos as suas emissões (já explico, mais à frente, porque é mais ao menos) e então é-lhe indicado quantas árvores tem de plantar para compensar as suas emissões. E, tal como o pai que troca um brinquedo pela sua ausência, será que por plantar uma árvore em Portugal está a resolver os problemas que existem na produção destes artigos na China? Será que não faria mais sentido procurar um fabricante que produzisse de uma forma mais sustentável na China, quer a nível ambiental quer social, ou até em Portugal? Será que contribuir para a despoluição dos rios na China não faria mais sentido? Então porque plantamos árvores em vez de tentar resolver os problemas?

Já nem falo nos créditos de carbono (comprar-se créditos a um país menos desenvolvido para se poluir num país desenvolvido) que são uma total hipocrisia… E os escândalos (aqui, aqui e em muitas mais notícias) associados a estes créditos falam por si.

Sou contra plantarem-se árvores? Claro que não. Mas não acredito em compensações que dão uma falsa sensação de trabalho cumprido às empresas. Acredito em ações. Por exemplo, se uma empresa quiser plantar árvores ou limpar uma praia deve fazê-lo como parte do seu Plano de Ação e não como uma compensação.
Além de que as árvores plantadas devem ser autóctones e variadas, ou seja, nada de monoflorestas de carvalhos.

Para terminar, queria ainda lembrar que as calculadoras de carbono são, na verdade, muito limitadas. Sabiam que a internet polui imenso, graças aos seus servidores e ao arrefecimento dos mesmos? A maioria dos nossos trabalhos, hoje em dia, ocorre graças ao uso da internet e as calculadoras de carbono não costumam contemplar ainda as emissões da internet.

Resumindo, acho que devemos procurar resolver os problemas nas suas raízes, que devemos plantar árvores como ações e não como compensações e que devem ser plantadas árvores variadas para se criarem autênticos bosques e não monoflorestas de carvalhos.

Comentários
Patrícia Esteves
Patrícia Esteves é a criadora do UniPlanet, um projeto com 11 anos. É consultora na área da sustentabilidade. É mestre em gestão e doutoranda em geografia humana. É vegetariana há 18 anos, adora viajar e fazer caminhadas.
Deixe uma resposta

Your email address will not be published.