Sabia que cada vez que envia um e-mail, faz upload de uma foto no Facebook ou realiza uma pesquisa no Google, isto tem um custo para o planeta?

Painéis solares da Google

Sabia que cada vez que envia um e-mail, faz upload de uma foto no Facebook ou realiza uma pesquisa no Google, isto tem um custo para o planeta?
O Google, por exemplo, é responsável por 40% das emissões de dióxido de carbono (CO2) produzidas pela Internet.

Segundo Joana Moll, que tem trabalhado na análise da componente física da Internet, cada vez que fazemos uma pesquisa no Google, este usa servidores, routers e outros recursos que são muitas vezes alimentados por fontes de energia não renováveis.

A Internet depende de milhões de servidores físicos localizados em todo o mundo em centros de processamento de dados, que estão ligados a quilómetros de cabos submarinos e outros dispositivos que exigem muita energia. Grande parte desta energia vem de fontes que emitem dióxido de carbono ao queimarem combustíveis fósseis.

Em 2015, as emissões de dióxido de carbono associadas às pesquisas no Google terão sido semelhantes ao total das emissões da indústria aeronáutica, de acordo com o estudo de Moll.

O Google processa uma média de aproximadamente 47 mil requisições por segundo, o que representa uma estimativa de 500 kg de CO2 por segundo, ou seja, cada pesquisa realizada no Google emite cerca de 0,01 kg de CO2, segundo os seus dados de 2015.

Um porta-voz do Google informou que as emissões de uma pessoa a utilizar os serviços do Google durante um mês equivalem, em média, às emissões de um carro conduzido durante uma milha (1,6 km).

Relativamente ao Facebook, em 2016, os seus centros de processamento de dados e operações resultaram em 718 000 toneladas métricas de emissões de CO2.

É preciso referir ainda que estas empresas usam energia para arrefecer os seus servidores. Por esta razão, o Facebook transferiu vários dos seus servidores para latitudes polares e a Microsoft testou enterrá-los no fundo do mar na costa escocesa. A Apple afirmou que nas suas operações internacionais utiliza 100 por cento energia renovável, por exemplo, através dos painéis solares de Cupertino.

O Google tem consciência da sua pegada ecológica e tem projetado centros de processamento de dados energeticamente eficazes, tal como tem investido em energias renováveis e em programas de compensação de carbono.

No site ClickClean podemos verificar a avaliação das grandes empresas da Internet com base no uso de fontes de energia renováveis e outros fatores, como a transparência. Os dados deste site são de 2017.

O que podemos fazer?

Podemos apoiar as empresas que usam fontes de energia renováveis, apagar aplicações que não usamos nos nossos smartphones, cancelar subscrições de e-mail que não lemos e usar o motor de pesquisa Ecosia, que planta uma árvore a cada 45 pesquisas.





* Este artigo foi publicado originalmente na Raízes Mag nº 12.


Para adquirirem o nº 12 da Raízes Mag ou para a subscreverem por um ano, visitem a nossa loja aqui.
A Raízes Mag é um projeto fruto de uma parceria entre o UniPlanet e o Âncora Verde.

Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.