Porque comem as aves marinhas plástico? Porque os detritos cheiram à sua comida, revela um estudo da Universidade de Califórnia, em Davis.



Se cheirar e se parecer com comida, é seguro assumir que se trata de comida, certo? Nem sempre isto é verdade, especialmente no caso das aves marinhas encontradas com estômagos cheios de plástico.

Cientistas da Universidade da Califórnia, em Davis, descobriram que as aves marinhas são atraídas para o plástico a flutuar no mar por este cheirar à comida da qual se alimentam.
De acordo com o seu estudo, os detritos de plástico flutuantes emitem o cheiro de um composto de enxofre do qual diversas espécies de aves marinhas se servem, há milhares de anos, para encontrar alimento. Este composto é um sinal libertado pelas algas – que costumam cobrir os plásticos flutuantes – quando estas se decompõem ou quando são comidas por predadores, como o krill, um dos alimentos preferidos destes pássaros.

As descobertas do trabalho podem ajudar a explicar a razão por que certos pássaros, como os albatrozes e as pardelas, que dependem do seu sentido de olfato para localizar comida, são particularmente propensos à ingestão de plástico.

“É importante, em questões como esta, considerar-se o ponto de vista do organismo”, declarou Matthew Savoca, autor do estudo publicado na revista científica Science Advances. “Os animais costumam ter uma razão para as decisões que tomam. Se queremos realmente compreender o motivo por que há animais a comer plástico no oceano, temos de pensar na forma como eles encontram comida.”

A poluição de plástico continua a aumentar no mundo. Um estudo do ano passado estimou que cerca de 8 milhões de toneladas de plástico entram no oceano, todos os anos. Esta quantidade seria suficiente para cobrir cada metro da faixa litoral do mundo.

Vários animais marinhos, incluindo peixes, ostras e caranguejos-eremitas, ingerem o plástico flutuante ou depositado no fundo do mar, o que lhes pode provocar lesões nos órgãos internos, obstrução intestinal e acumulação de químicos dos plásticos nos seus tecidos. Outros estudos também mostraram que algumas aves dão às suas crias, como alimento, fragmentos de plástico.



Para descobrir o que atrai os pássaros para os resíduos de plástico, os investigadores colocaram peças feitas dos três tipos mais comuns de detritos de plástico – polietileno de baixa e de alta densidade e polipropileno – no mar, nas baías de Monterey e de Bodega, na costa da Califórnia. "Os tipos de plástico que analisámos são usados em muitos dos produtos que consumimos, garrafas de água, isqueiros, escovas de dentes e muito mais", explicou o autor do estudo.

Para evitar que alguma criatura marinha ingerisse estes plásticos, os cientistas meteram-nos em sacos de rede especiais, que ataram a uma boia de sinalização. Três semanas mais tarde, recolheram os sacos e analisaram-nos num lugar um pouco inusitado para ecólogos marinhos – o Departamento de Viticultura e Enologia da Universidade, onde se costumam estudar vinhos.

A equipa confirmou assim que o plástico emitia o odor de um composto de enxofre, o dimetil-sulfeto ou DMS, que, num estudo anterior, se tinha provado ser um sinal que impele certas aves a procurar alimento. “As aves marinhas não são as únicas a utilizar o DMS como um sinal olfativo para se alimentarem, também há peixes, incluindo o tubarão-baleia, e tartarugas que o fazem”, avisou Matthew Savoca.

Os investigadores analisaram ainda dados de 55 estudos e de 13 315 aves e concluíram que as aves marinhas que seguem o cheiro do DMS para encontrar as suas presas – uma ordem de aves conhecida como Procellariiformes e que inclui os albatrozes, os petréis e as pardelas, entre outros – têm quase 6 vezes mais probabilidade de comer plástico do que outras aves.

“As aves marinhas são um dos grupos de pássaros mais ameaçados do mundo, mas demonstrar os efeitos das diversas ameaças a estas aves é um desafio, o que destaca a importância de trabalhos de investigação em curso como este, que ajudam a determinar a vulnerabilidade de várias espécies”, declarou Berry Mulligan, da Sociedade Real para a Proteção das Aves.

1ª Foto: Dan Clark/USFWS/AP
2ª Foto: J.J. Harrison
Partilha:

Comentários:

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.