Apesar de serem uma grande fonte de conflito, existem muitos casos em que os predadores e necrófagos trazem benefícios para os seres humanos.



Muitos dos carnívoros que vivem perto de povoações humanas estão a desaparecer a um ritmo sem precedentes e isto são más notícias para os seres humanos que dependem indiretamente deles para uma série de serviços.

Os abutres, morcegos, leopardos, raposas e outros predadores e necrófagos nativos proporcionam serviços críticos, incluindo a regulação de doenças, o aumento da produtividade agrícola e a eliminação de resíduos, diz um novo estudo realizado pela Universidade de Queensland e pela Wildlife Conservation Society.

“Apesar de os predadores – como os grandes felinos em África e na Ásia ou os dingos na Austrália – e os necrófagos serem uma grande fonte de conflito, existem muitos exemplos em que eles podem trazer benefícios para os seres humanos”, disse Christopher O’Bryan, autor da análise.

“O nosso trabalho identifica estudos que mostraram estes benefícios nas mais diversas áreas, desde pumas a reduzirem as colisões entre veados e veículos, passando por morcegos a fazerem os produtores de milho poupar milhares de milhões, anualmente, ao reduzirem as pragas das culturas, e abutres que permitem economizar milhões na remoção de carcaças de gado”, explicou.

“Existe, por exemplo, uma ligação entre a presença de morcegos e o aumento da produção de café, o que poderia ter um grande impacto económico nos países em desenvolvimento, uma vez que o café é uma importante mercadoria.”



Alguns dos casos citados pelos investigadores incluem a forma como o declínio das raposas está ligado a surtos de doença de Lyme, o facto de as aves e morcegos na ilha de Celebes, na Indonésia, prevenirem atualmente a destruição de 30% das plantações de cacau, graças ao controlo das pragas de insetos, e como uma possível recolonização dos EUA pelos pumas reduziria, durante um período de 30 anos, as colisões entre veados e veículos em 22%, salvando 155 vidas humanas.

Contudo, muitas espécies de predadores estão em perigo, especialmente as que partilham território com as pessoas. Os leopardos desapareceram de 75% do seu território histórico, as populações de leões africanos deverão sofrer um declínio de cerca de 50% fora das áreas protegidas e 17 espécies de abutres estão a sofrer declínios devido às atividades humanas.

“Os trabalhos de investigação mostram que sabemos muito sobre os impactos negativos dos predadores e dos necrófagos, mas só agora estamos a começar a compreender os serviços potencialmente insubstituíveis que estes animais podem proporcionar às sociedades humanas, defendeu Christopher O’Bryan. “Embora seja fundamental que consideremos os pontos negativos destas espécies – os seus custos –, é muito importante que também tenhamos em conta os seus benefícios, especialmente a longo-prazo, porque se perdermos estas espécies e os serviços que providenciam, elas não regressarão.”


Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.