O chocolate que consumimos é produzido com o uso de trabalho infantil e tráfico de crianças?

O premiado jornalista dinamarquês, Miki Mistrati, decidiu investigar os boatos. A sua busca por respostas leva-o até Mali, na África Ocidental, onde câmaras ocultas revelam o tráfico de crianças para as plantações de cacau da vizinha Costa do Marfim.

A Costa do Marfim é o maior produtor mundial de cacau, correspondendo a cerca de 42% da produção.

Empresas como a Nestlé, Barry Callebaut e Mars assinaram em 2001 o Protocolo do Cacau, comprometendo-se a erradicar totalmente o trabalho infantil no sector até 2008.
Será que o seu chocolate tem um gosto amargo?
Acompanhe Miki até à África para expor "O Lado Negro do Chocolate" (The Dark Side of Chocolate).











Veja também As 7 marcas de chocolate que utilizam trabalho escravo infantil
Partilha:

Comentários:

20 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Já publiquei no Facebook com este texto: "Analise a fonte. Leia. Divulgue. Denuncie. Não compre estas marcas. Porque não conheço a fonte. Mas me pareceu fidedigna, mesmo assim, vou pesquisar.
    E para completar: qualquer que seja a marca, não consuma produtos que utilizem trabalho escravo ou tráfico de crianças ou exploração do trabalho infantil.
    Vamos todos à luta por um mundo mais justo, mais humano e fraterno!!!"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. BEATRIZ LOYOLA...é isso mesmo minha irmã! Amo chocolate! Mas, dessa maneira não dá prá consumir mais. Meu DEUS!!!É mais horrível, do que se imagina. Os meus irmãos africanos !!! Se pesquisarmos melhor, vamos encontrar aqui no BRAZIL também.

      Eliminar
    2. Como está hoje essa pesquisa? A reportagem foi realizada em 2011.

      Eliminar
    3. O difícil é saber se tais produtos seja ele qual for ou chocolate ou outros, como saber se estão fazendo trabalho escravo infantil ou tráfico de crianças?...
      De início, não vou mais comer Nestlé que decepção

      Eliminar
  2. E o maior crime, todos devem saber o que ha por tras de tudo isso!

    ResponderEliminar
  3. Me parece bastante improvável que alguém fosse "montar" um documentário desse só para prejudicar as grandes marcas de chocolate. Vale checar as fontes, mas parece bem intencionado. Enquanto isso, não vou mais consumir essas marcas. Chocante e muito triste, mas é a lei da oferta e da procura... Faça a sua parte, não compre! Não colabore com o tráfico de crianças e trabalho escravo infantil.

    ResponderEliminar
  4. Gostaria de assistir o restante do documentário. Onde está a parte final?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. no youtube tem... https://www.youtube.com/watch?v=v_fMgJ_CDzk

      Eliminar
  5. Nada de lado negro do chocolate. Ao contrário seria o lado branco do chocolate em formas amargas de exploração no trabalho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O "lado negro" talvez não se refira à maldade, mas às crianças escravas que com certeza não são brancas.

      Eliminar
    2. O nome do documentário em inglês é "The Dark Side...", o lado escuro/obscuro. Não tem a ver com cor de pele, acredito. Em português a expressão é comumente "lado negro", igual no Star Wars que dizem "Lado Negro da Força".

      Eliminar
  6. nosso planeta é um paciente portador de câncer em fase terminal.Triste

    ResponderEliminar
  7. Este problema existe há muito tempo na ÁFRICA. O Brasil não importa cacau da África. Os maiores compradores do cacau africano são a Suiça e a França. Deixando de consumir chocolate você estará prejudicando os cacauicultores brasileiros que não têm nada a ver com o trabalho escravo. Na região cacaueira a fiscalização é efetiva e o trabalho escravo foi abolido há muito tempo. Procure consumir chocolate made in Brazil e principalmente os artesanais que são fabricados pelos próprios cacauicultores e que são de excelente qualidade, como o SAGARANA que acabou de ganhar prêmios no salão do CHocolate da França e no Japão. INFORME-SE. PESQUISE.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não penso em deixar de consumir chocolate mas de deixar de consumir das marcas que usem trabalho infantil. Não interessa se são crianças brasileiras, africanas... não interessa se eu vou consumir exatamente o chocolate fruto do trabalho infantil ou não. O que interessa é que se a marca usa trabalho escravo em alguma parte do mundo eu não vou consumir desta marca. Concordo que deixar de consumir o chocolate não é a saída e não podem o prejudicar nossos produtores.
      O problema que é a gente lê tanta coisa na Internet que nem sabe no que acredita.

      Eliminar
    2. Ótima sugestão de consumir chocolates artesanais! Na dúvida! rs

      Eliminar
    3. Uma injustica em um lugar é uma injustiça em todo lugar lugar.

      Eliminar
    4. Uma injustica em um lugar é uma injustiça em todo lugar lugar.

      Eliminar
  8. nestle nunca mais.... bando de safados

    ResponderEliminar
  9. Parei com chocolate e qualquer doce q leva ingredientes destas marcas na sua composição.Estou chocado e triste.

    ResponderEliminar
  10. Mais um motivo para nao comer chocolate! Principalmente dessas marcas,gracas a Deus deixei de vez de consumir!

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.