Esta foi a primeira vez que o Brasil recebeu esta distinção.

Colheita de flores sempre-vivas

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) reconheceu o sistema de colheita de flores "sempre-vivas" na serra do Espinhaço, em Minas Gerais, no Brasil, como "um engenhoso sistema de património agrícola mundial".

Os agricultores locais, dedicados à colheita das flores sempre-vivas, desenvolveram um sistema agrícola eficaz que combina o cultivo de flores, horticultura agroflorestal, pastoreio de gado e culturas agrícolas, tudo em altitudes que chegam a 1,4 mil metros.

Este complexo sistema é baseado num "profundo conhecimento dos ciclos naturais, dos ecossistemas e da flora", bem como em "práticas tradicionais" transmitidas de uma geração para outra por mais de um século, que permitem aos residentes "viver em harmonia com o meio ambiente, garantindo a sua segurança alimentar e os meios de subsistência", afirmou a FAO.

O património agrícola mundial foi criado em 2002 pela FAO e distingue lugares onde a produção tradicional trabalha em prol da segurança alimentar das comunidades, respeitando a biodiversidade e a vida selvagem.

Com este novo registo, o número total de Sistemas Importantes do Património Mundial da Agricultura (SIPAM) em todo o mundo chegou a 59 em 22 países. Na Europa, existem dois locais na Espanha: a produção de sal no vale de Anana e o sistema de produção de uvas de Málaga em Axarquía.

Foto: FAO

Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.