Os reatores da central nuclear de Fessenheim vão ser desligados até ao fim de junho.

Protesto

O primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, anunciou, na semana passada, que os reatores da central nuclear de Fessenheim, situada na fronteira com a Alemanha, serão desligados até ao fim de junho.

O primeiro dos reatores da central já foi desligado da rede elétrica no sábado (22 de fevereiro), como notificou a empresa de eletricidade EDF.

Esta é a “primeira fase” da estratégia energética de França estabelecida em 2018 pelo presidente Emmanuel Macron, que quer um reequilíbrio progressivo entre os diferentes tipos de energia, com uma redução da nuclear e um aumento da eletricidade de origem renovável.

A energia nuclear é atualmente responsável por cerca de três quartos da eletricidade produzida no país.

A central de Fessenheim, a mais antiga em atividade em França, foi, ao longo dos anos, alvo de muitos protestos de cidadãos franceses, alemães e até suíços. Esta será a primeira central a ser encerrada sob o plano de Macron.

O presidente disse, em 2018, que 14 reatores nucleares, dos 58 existentes atualmente em 19 centrais em França, serão desligados até 2035.
Foto: Manifestação contra a central de Fessenheim (Till Westermayer/Flickr)

Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.