O governo chinês proibiu o comércio e o consumo de animais selvagens, por motivos de segurança nacional.



O governo chinês proibiu, no dia 24 de fevereiro, o comércio e o consumo de animais selvagens, por motivos de segurança nacional, uma vez que se crê que a ingestão destes animais terá sido a razão do surgimento do novo coronavírus entre humanos.

O novo vírus terá surgido em dezembro num mercado de mariscos e animais selvagens, situado nos subúrbios de Wuhan, no centro da China.

Alguns especialistas alertam para o facto do transporte, abate e consumo de animais selvagens representar um risco significativo, uma vez que expõe os seres humanos a patógenos perigosos de origem animal.

A fonte exata do coronavírus ainda não foi confirmada, mas alguns estudos apontam para uma provável origem animal como morcegos, cobras ou pangolins.

De acordo com uma lista de preços, um dos comerciantes do mercado de Wuhan, terá vendido: civetas, ratos, cobras, salamandras gigantes, centopeias, avestruzes e filhotes de lobo vivos.



Em 2002, a civeta foi o animal responsável por transportar o coronavírus da SARS de animais para humanos.

1ª Foto: Kin Cheung/Reuters
2ª Foto: SAM小K/Weibo

Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.