A Oxfam tem um desafio para si: durante o mês de setembro, abstenha-se de comprar roupa nova e opte por artigos em segunda mão. #SecondHandSeptember



Quase três quintos de todos os itens de roupa produzidos são incinerados ou depositados em aterros poucos anos após a sua produção. Em 2014, o consumidor médio comprou 60% mais roupa do que em 2000, mas só a conservou durante metade do tempo.

Para sensibilizar o público para o impacto ambiental da indústria da moda, a organização solidária britânica Oxfam lançou o desafio “Setembro em Segunda Mão”, que encoraja os consumidores a não comprarem roupa nova e a adquirirem apenas peças em segunda mão durante os 30 dias do mês.

O desafio é simples: Consegue passar o mês de setembro sem comprar roupa nova?

“Neste mês, poderá repensar um pouco a forma como costuma fazer compras”, disse a modelo Stella Tennant, que está a promover a iniciativa. “É um tempo de reflexão sobre o que compramos e o que consumimos, assim como a razão de o fazermos: o que é que queremos realmente; de que é que precisamos mesmo?”

“Comprar em segunda mão é importante. Precisamos de começar a comprar menos coisas”, defendeu Bay Garnett, estilista que também está envolvida na campanha. “Sempre gostei da sensação de independência que lhe é inerente. O espírito da descoberta e do desenvolvimento de um estilo próprio e de um sentido estético. De não sermos alimentados à força com o que está na moda (...) Quando falamos em comprar em segunda mão, falamos de empoderamento.”



Também não deve ser coincidência o facto de o desafio decorrer em setembro, um mês marcado por desfiles de moda e, para muitos, sinónimo de múltiplas compras, movidas pela mudança da estação e o regresso às aulas.

“Ao pedirmos às pessoas para boicotarem a moda parece que lhes estamos a dizer para fazerem um sacrifício”, disse Sara Arnold, do movimento Extinction Rebellion. “Mas, de facto, não precisa de lhes faltar nada – há tantas peças de roupa por aí. Também não quer dizer que não podem ser criativas – pode haver uma explosão de criatividade, quer seja através do upcycling do vestuário ou de trocas de roupa. As restrições podem ser uma fonte de criatividade.”

Com esta iniciativa, a Oxfam quer-nos lembrar de alguns dos problemas que rodeiam a indústria têxtil e da moda: o uso intensivo de água, de pesticidas e fertilizantes para cultivar o algodão, a poluição da água e do solo, e o facto de menos de 1% do material usado para produzir vestuário ser reciclado e transformado em roupas novas.

A organização espera que o desafio esteja na origem de mudanças positivas a longo prazo. “[O ‘Setembro em Segunda Mão’] decorre durante tempo suficiente para nos forçar a criar hábitos novos – mas sem ser tão longo que se torne intimidador”, disse Nicola Tallet, da Oxfam.


Second Hand September

Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.