O plástico preso à volta do pescoço do tubarão ficará cada vez mais apertado, à medida que este crescer, asfixiando-o lentamente.

Tubarão com coleira de plástico

Durante um mergulho no Mar Vermelho, o fotógrafo subaquático Jacek Dybowski encontrou um tubarão com um pedaço de plástico amarelo preso à volta do corpo, entre as suas fendas branquiais.

Como se pode ver na fotografia, o resíduo plástico está tão apertado que se crava na carne do tubarão-de-pontas-brancas-oceânico. À medida que o animal crescer, o plástico ficará cada vez mais apertado, causando-lhe ferimentos graves e asfixiando-o lentamente.

“Ver o tubarão assim foi devastador. Nunca tinha visto nada assim”, disse Jacek Dybowski. “Fiquei tão chocado quando reparei que este plástico amarelo estava a perfurar o corpo do tubarão. A dor devia ser insuportável.”

Acredita-se que o plástico amarelo tenha feito parte, em tempos, de um equipamento de mergulhador para respirar debaixo de água.

Jacek ainda pensou em tentar libertar o predador da sua “coleira”, mas acabou por decidir que era demasiado perigoso.

São mais de oito milhões de toneladas de plástico a chegar ao oceano, por ano. A manter-se este ritmo de poluição, em 2050 haverá mais plástico do que peixes no oceano, em termos de peso.


Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.