O governo francês confirmou que vai reintroduzir duas ursas nos Pirenéus até outubro, apesar dos protestos dos criadores de gado.

ursa com crias

O novo ministro francês da Transição Ecológica, François de Rugy, confirmou a reintrodução de mais dois ursos nas montanhas dos Pirenéus.

“Decidi dar luz verde à reintrodução de duas fêmeas de urso-pardo nos Pirenéus Atlânticos”, declarou o ministro à imprensa, após uma reunião com agricultores e autoridades locais. “[A reintrodução] será realizada durante o período previsto, até ao início do mês de outubro (…) com a Eslovénia, a nossa parceira.”

A França começou a reintroduzir ursos de origem eslovena no seu território em 1996, após a população nativa destes predadores ter sido caçada quase até à extinção.

O anúncio de François de Rugy não agradou a muitos dos presentes na reunião, que manifestaram a sua oposição e deixaram abruptamente o encontro. A decisão também esteve na origem de protestos por parte de criadores de gado e pastores, os quais não hesitaram em afirmar que atacariam os ursos, caso estes fossem reintroduzidos.

“Muitos legisladores opõem-se, mas, a dada altura, temos de decidir e foi isso que fiz”, reconheceu o ministro. “Vou encontrar-me com os criadores de gado, apesar da pressão ou da recusa de contacto. Acredito no diálogo.”

urso-pardo

François de Rugy herdou esta questão controversa do seu antecessor, Nicolas Hulot, que apresentou, em maio, um plano de 10 anos para aumentar o número destes animais na região. Atualmente, só existem dois machos na zona.

A decisão do ministro foi saudada por diversas organizações conservacionistas, incluindo a WWF, que a viu como “um forte sinal da determinação do governo em impedir o desaparecimento de espécies no território francês”.

O governo francês indemniza os criadores de gado pelos prejuízos causados pelos ataques de ursos a animais associados à atividade pecuária, mas isso não tem sido suficiente para aplacar a ira dos mesmos, que apontam para um incidente decorrido em julho de 2017, que viu mais de 200 ovelhas caírem de um penhasco para a sua morte enquanto eram perseguidas por um urso.

Jean-David Abel, da France Nature Environment, defendeu que a reintrodução deveria incluir medidas para ajudar os produtores de gado, como a formação sobre o uso de cães de guarda.
1ª foto: Arend Vermazeren

Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.