A Universidade de Medicina de Tóquio manipulou, ao longo de vários anos, os resultados dos exames de acesso para admitir menos mulheres.

Universidade de Tóquio

A Universidade de Medicina de Tóquio manipulou, ao longo de vários anos, os resultados dos exames de acesso para admitir menos mulheres, de acordo com a imprensa japonesa.

Esta Universidade começou a manipular os resultados em 2011, depois de registar um aumento no número de alunas no ano anterior. Em 2010, 40% dos novos alunos eram mulheres, o dobro de 2009.
O conselho de administração da universidade aplicou critérios mais restritivos na avaliação dos exames de admissão para manter a percentagem de estudantes do sexo feminino em cerca de 30% do total dos novos alunos, segundo o jornal Yomiuri.

De acordo com este jornal, esta prática era realizada por considerarem que os homens são mais adequados para a profissão médica, uma vez que as mulheres japonesas param de trabalhar muitas vezes depois de se casarem e de terem filhos.

O Ministério Público de Tóquio está a investigar esta universidade devido a uma suposta pressão exercida por um alto funcionário do Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia ao ameaçar retirar a ajuda pública caso não admitissem o seu filho.

Foto: Rs1421

Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.