As autoridades checas detiveram três suspeitos de tráfico de produtos de tigre nos arredores de Praga.

Tigre morto

As autoridades checas descobriram um “matadouro” de tigres nos arredores de Praga, durante uma série de rusgas realizadas na República Checa no mês de julho.

Esta operação foi o resultado de mais de dois anos de trabalho de recolha de provas contra cidadãos checos e vietnamitas envolvidos no tráfico de tigres, uma espécie em perigo de extinção.

Entre as descobertas da “Operação Troféu”, contam-se um tigre morto com um tiro no olho para não danificar a sua pele; muitas garras, ossos e peles destes grandes felinos; dezenas de corpos e partes de animais mortos, muitos dos quais em estado de decomposição, e uma panela na qual se “cozinhava” um preparado à base de ossos, conhecido como “cola de tigre”, utilizado na medicina tradicional asiática.

Estavam envolvidos nesta rede de tráfico internacional um criador legal de grandes felinos – proprietário de mais de 40 tigres e 88 leões com documentação CITES e ligações a dois zoos e um circo –, um taxidermista ilegal e um empresário vietnamita, entre outras pessoas. A polícia deteve três suspeitos.



Embora as “quintas” de tigres e a venda de partes destes animais costumem ser associados apenas à Ásia, este comércio lucrativo também está a acontecer no coração da Europa.

“Há vários anos que avisamos que o comércio ilegal de produtos de tigre é um problema muito sério na Europa, não só na Ásia”, disse Pavla Rihova, do Serviço Checo de Inspeção Ambiental, depois das rusgas.

“Existem muitos tigres em cativeiro na Europa sem sabermos quem os possui e onde são mantidos", acrescentou a investigadora, aludindo ainda a uma "elevada taxa de mortalidade" destes animais.

Cola de tigre
"Cola" de tigre encontrada durante a rusga policial

Segundo a Born Free Foundation, a polícia também efetuou buscas num mercado vietnamita nos arredores de Praga e concluiu que existiam fortes indícios para acreditar que alguns dos produtos de tigres e de outros animais selvagens se destinavam a clientes dentro do país. A República Checa é lar da segunda maior comunidade vietnamita na Europa.

“Este caso expôs uma prática brutal e bárbara, ligando as indústrias dos zoos e dos circos na Europa ao comércio ilegal de produtos de animais selvagens”, disse Chris Draper, da Born Free. “É revoltante pensar que os grandes felinos, depois de serem maltratados para entretenimento humano enquanto crias e, mais tarde, em circos, se deparavam com uma morte cruel e insensível para satisfazer a procura pelas suas partes corporais. Os animais selvagens que têm o infortúnio de se encontrarem em cativeiro na Europa merecem, pelo menos, ser protegidos deste destino horrível.”


ATENÇÂO: O vídeo acima contém imagens chocantes.

As descobertas na República Checa não se tratam de casos isolados, defende ainda a organização Four Paws, salientando que as suas investigações mostraram que, nos últimos anos, vários tigres vivos foram exportados da Alemanha, através da República Checa, para o Vietname, Tailândia e Coreia do Sul.

“Aplaudimos Pavla e a sua equipa pelo sucesso da Operação Troféu e por não terem desistido de expor o papel dos criadores privados de tigres no comércio de partes destes animais”, disse Shruti Suresh, da Agência de Investigação Ambiental. “Eles já tinham intercetado partes de tigre a serem comercializadas pela comunidade vietnamita, incluindo ossos escondidos em colunas de som para exportação. A rusga [do dia 16 de julho] é o resultado da tenacidade e integridade para investigar e expor o que está a acontecer.”


Subscrever a Newsletter

1 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Esses orientais com tais práticas da medicina tradicional sem comprovação científica alguma, estão levando à extinção os animais selvagens. É uma barbárie.

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.