A garrafa Choose Water decompõe-se em três semanas e pode ser ingerida por animais marinhos.

Uma garrafa azul com o logo da Ch2oose na praia

James Longcroft fundou, em 2015, a Choose Water, uma empresa de água engarrafada que angaria fundos para associações que fornecem água potável a quem não a tem em África. Contudo, quando descobriu o impacto devastador das garrafas de plástico no ambiente, decidiu que não podia continuar a vendê-las. Mas não se ficou por aí.

O britânico, que é licenciado em química pela Universidade de Durham, decidiu criar uma garrafa biodegradável sem plástico, para ajudar a proteger os oceanos dos oito milhões de toneladas de resíduos plásticos que os invadem todos os anos.

Foi assim que nasceu a garrafa de água Choose Water, uma garrafa de papel reciclado com um revestimento interno à prova de água, feito de materiais biodegradáveis, que impede que a água chegue ao papel.

Tanto o interior como o exterior da garrafa se decompõem em três semanas e podem ser ingeridos por animais marinhos. A tampa de metal demora cerca de um ano a decompor-se.

“A minha noiva assistia com desalento à minha tentativa de criar a garrafa, já que fazia muita bagunça”, contou James. “O revestimento é a chave. O interior tinha de ser à prova de água e de conferir força para que a garrafa retivesse a sua estrutura, para além de manter a água fresca – assim como o plástico. Conseguimos fazer tudo isto, o que é muito entusiasmante. Os materiais foram desenvolvidos pela natureza e são subprodutos de indústrias de maior dimensão.”

Frente e verso de uma garrafa de água da Choose Water
A garrafa sem plástico da Ch2oose (Choose Water)

“O revestimento é feito de materiais totalmente biodegradáveis de origem sustentável. Tem-se provado que estes materiais até são benéficos para o ambiente, neutralizando a acidez do solo e fornecendo nutrientes aos ambientes aquáticos”, explicou o fundador da Choose Water.

Como a garrafa se biodegrada tanto no oceano como nos aterros, para além de poder ser reciclada, isto significa que “independentemente do lugar onde for parar, não causará danos”.

“Não só não prejudica o planeta, também ajuda comunidades em África. Comprometemo-nos a doar 100% das receitas à nossa parceira, Water for Africa.”

A invenção do britânico atraiu a atenção da campanha Sky Ocean Ventures do grupo britânico de televisão e telecomunicações Sky, que decidiu investir nela. O dinheiro da Sky financiará a próxima fase de desenvolvimento e testes.

Segundo James, este investimento “colocará as nossas garrafas biodegradáveis nas prateleiras ainda mais cedo”. A data de lançamento está prevista para 2018 e o preço deverá ser semelhante ao das garrafas de plástico.

“A nossa garrafa é totalmente livre de plástico, por isso nada de tartarugas e golfinhos mortos e de microplásticos na nossa comida. Vamos provar que já não precisamos de plástico”, disse James.

A Sky Ocean Ventures também está a investir na Ooho, uma saqueta comestível para condimentos ou água, feita de materiais naturais extraídos de plantas e algas, que demora entre quatro e seis semanas a decompor-se. Estes são os dois primeiros investimentos da campanha.

“Queremos impulsionar ideias brilhantes e ousadas que terão um impacto duradouro”, disse Fred Michel, diretor da campanha. “[Estes] investimentos refletem o nosso objetivo comum de fechar a torneira dos plásticos. Apenas através de alternativas viáveis é que podemos ajudar as pessoas a escolher pôr fim ao problema dos plásticos.”




Subscrever a Newsletter

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.