Argélia: a revolta dos biquínis

Argélia: a revolta dos biquínis

2 de Setembro, 2017 0

Mulheres argelinas de biquíni

Na Argélia, o biquíni é autorizado. No entanto, embora neste país marcadamente muçulmano os argelinos tolerem que as mulheres ocidentais o usem, já não veem com bons olhos quando são as mulheres muçulmanas a fazê-lo.

Por esta razão, em julho deste ano, na praia de Annaba, no noroeste da costa mediterrânica argelina, surgiu o movimento a que se chamou “A revolta do biquíni”, em resposta a uma campanha que criticava violentamente o uso de biquínis em espaços públicos e que denunciava esta prática por considerarem tratar-se de um ultraje aos valores da sociedade.

Cerca de 3000 pessoas aderiram ao movimento, que desafia os conservadores, e novos protestos foram organizados em agosto, sendo que alguns deles reuniram mais de 200 mulheres ao mesmo tempo.

Para evitarem a pressão social, muitas argelinas preferem frequentar praias privadas, muitas reservadas a mulheres e crianças, as quais têm um custo de entrada de 20€ por pessoa (mais de 70 reais). “Queremos poder ir tranquilamente às praias públicas e gratuitas”, disse a argelina Halima, de 32 anos, citada pelo ‘Le Parisien’.

Quero poder tomar banho com as roupas que me apetecer, onde me apetecer, quando me apetecer, afirmou.

Comentários
Deixe uma resposta

Your email address will not be published.