Um estudo realizado com 26 voluntários portugueses detetou a presença do glifosato em todos os casos, numa concentração média "20 vezes superior" à dos suíços e dos alemães.

Glifosato usado na agricultura
Um estudo realizado com 26 voluntários portugueses, das regiões Norte e Centro do País, detetou a presença do herbicida Glifosato - considerado "potencialmente cancerígeno" - na urina de todos os participantes, sendo que a concentração média foi de 26,2 mg/l por pessoa, cerca de "20 vezes superior" às que são encontradas, por exemplo, em cidadãos suíços e alemães.
As conclusões foram apresentadas na reportagem “Erva Daninha” da RTP1.

O glifosato é o herbicida mais vendido em Portugal. Este herbicida foi inventado nos anos 70, pela multinacional americana Monsanto. Hoje em dia, só em Portugal, há mais de 20 marcas que comercializam o glifosato (como, por exemplo, a Bayer). É um herbicida total, não seletivo - o que quer dizer que mata qualquer tipo de planta. Os OGM (transgénicos) são resistentes ao glifosato, o que quer dizer que uma plantação transgénica pode ser pulverizada com herbicidas sem que a cultura morra, só as ervas, o que se traduz nas altas concentrações de herbicidas nestes produtos (por exemplo, soja e milho).

Estes transgénicos são por enquanto proibidos na Europa, mas há um transgénico que pode ser semeado: a variedade de milho MON 181. E Portugal é 1 dos 4 países que cultiva OGM na Europa.
Nos supermercados portugueses, os produtos OGM que estão nas prateleiras são: alguns óleos alimentares, uma farinha de milho, alguns produtos com farinha de milho e soja, uma maionese e bolachas.

Várias toneladas de milho e soja OGM entram todos os dias em Portugal e vão para as fábricas de rações. Mais de 90% da alimentação animal é feita com transgénicos. Rações estas que acabam, de certa forma, no prato dos portugueses que consomem carne.
A Organização Mundial de Saúde, através da Agência Internacional de Investigação para o Cancro, estudou o glifosato durante um ano e 17 dos investigadores tomaram uma decisão unânime, classificaram o glifosato como potencialmente cancerígeno.

Espanha e França proibiram-no mas, por cá, a utilização em meio urbano é ainda generalizada. Pelo menos 87 autarquias portuguesas usam o glifosato, no controlo das plantas daninhas nos passeios, parques e jardins. Existindo algumas exceções como o caso da cidade do Porto que não usa glifosato para este controlo. Este herbicida que a Organização Mundial de Saúde considerou potencialmente cancerígeno é sobretudo usado na agricultura.
O glifosato pode entrar no corpo humano através da ingestão da água e de alimentos ou da inalação.

Fontes: RTP1, DN e Económico

Gráfico dos níveis de glifosato nos portugueses

Subscrever a Newsletter

4 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Bastante tempo após esta noticia continuo sem conseguir encontrar o artigo que apresenta estes dados, como tal acredito que ão passou na revisão pois tem problemas experimentais serios, como já foi visto o tamanho da amostra é um.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OLá Gonçalo, Há muita informação quanto ao uso de glifosato.Não é nada de novo... A Monsanto já dominou o mundo há umas décadas.
      Aqui vai um link da Quercus, pode ser que te esclareça.
      Procura em outras linguas, pois vais encontrar bem mais informação, procura tambem no Youtube.
      Não é nenhuma brincadeira, o que se fala é sério e tem bastantes implicações na natureza, assim como na cadeia alimentar, tanto vegetal, como animal.

      Eliminar
    2. Desulpa,
      aqui vai o Link

      https://www.quercus.pt/comunicados/2016-col-150/abril/4727-glifosato-o-herbicida-que-contamina-portugal

      Eliminar
  2. EM FACE DOS COMENTÁRIOS MAIS BEM INFORMADOS CONCLUÍMOS QUE O GLIFOSATO NÃO EXISTE... E ATÉ É BOM PARA BEBER CADO EXISTA...

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.