Na oficina Respiga cria-se mobiliário e objetos de decoração feitos a partir de madeiras e materiais reciclados.



Na oficina Respiga, na Vila da Parede, cria-se mobiliário e objetos de decoração feitos a partir de madeiras e materiais reciclados, que são autênticas obras de arte e que contrariam o conceito do compra-usa-e-deita-fora.

O UniPlanet falou com Rui Bispo, da Respiga, para conhecer este projeto.


UniPlanet (UP): Como nasceu a Respiga?

O projeto Respiga começou a tomar forma há cerca de 3 anos e meio.
Desde essa altura e até à abertura da nossa loja-oficina em novembro de 2015, reabilitamos um edifício carismático do seculo XIX no centro da Vila da Parede, que é hoje o nosso espaço onde produzimos as nossas peças.
A inspiração do nome surge do documentário "Os respigadores e a respigadora" de Agnés Varda. Esta obra estabelece um paralelismo entre os respigadores do passado que apanhavam os grãos de trigo sobrantes das colheitas e os respigadores contemporâneos que se dedicam a recuperar e reaproveitar coisas a partir de sobras e detritos.
Por outro lado, respiga é um termo técnico de carpintaria que denomina um tipo de entalhe que entra na mecha de uma peça de madeira, sendo a conceção de peças de mobiliário em madeira uma das componentes principais da nossa atividade.





UP: Onde vão “respigar” a madeira e os outros materiais que usam nas vossas obras?

Em obras de demolição/reabilitação de edifícios, nos caixotes de lixo, nas casas de familiares e amigos que têm peças que já não querem. Também no campo e nas praias, um bocadinho por todo o lado.


UP: Têm também uma oficina partilhada. Como funciona?

A oficina da Respiga abriu as portas com o objetivo de criar um espaço de partilha vocacionado para o trabalho com a madeira, e ao mesmo tempo uma incubadora de “respigadores”.
Queremos um espaço que permita a concretização de projetos individuais num ambiente de partilha de experiências e conhecimentos, onde estejam disponíveis as ferramentas e máquinas de gama profissional necessárias para a concretização dos projetos, grandes e pequenos, simples ou mais arrojados, a mais valia de no mesmo espaço poderem projetar o que querem concretizar, e “meter a mão na madeira”, experimentar, aprender, fazer.

A oficina tem uma área de 46 m² equipada com 4 bancadas de trabalho individuais que permitirá uma utilização de 4 pessoas ao mesmo tempo e que funcionarão de uma forma rotativa, dependendo dos horários que cada um ocupa.
Cada pessoa terá disponível uma prateleira de arrumos para o seu material e ferramentas, onde poderá também armazenar as peças em que se encontra a trabalhar.
Está disponível também uma área exterior com tanque de lavagens onde poderão ser desenvolvidas diversas atividades.




UP: Quais são as principais diferenças entre um móvel da Respiga e um à venda numa grande superfície como o IKEA, Moviflor ou outro?

Recorremos quase exclusivamente à reutilização de matérias-primas pelo que trabalhamos com o que vamos encontrando: madeiras, partes de móveis, garrafas de vidro, conchas, cascas de caracóis, etc.
Em relação às madeiras, é preciso realçar que fomos encontrando desde madeiras com mais de 1 século de existência num excelente estado de conservação, com menor probabilidade de empenar e com tonalidades únicas próprias da passagem do tempo, assim como madeiras cujo valor comercial é elevado, como é o caso do mogno, mutene, wengue, etc.

Estas matérias-primas permitem-nos fazer peças de mobiliário com uma forte predominância da madeira maciça, que aliada a um design contemporâneo, resultam em peças com uma maior longevidade e por isso com uma menor pegada ecológica. Tentamos que o preço seja proporcional aos custos inerentes à sua produção, de forma a ser o mais justo possível.
Destacamos ainda as cascas de caracóis, que é uma matéria-prima que se encontra com facilidade, sem qualquer aproveitamento. Note-se que as cascas têm a particularidade de variar de tamanho e cor, conservando, contudo, a forma e padrão, os quais permitem, quando em quantidade significativa, formar uma imagem rica em detalhe, mantendo-se ainda a relação entre o todo e as partes.

Resumidamente, embora as nossas peças sejam naturalmente mais caras, possuem um design muitas vezes exclusivo, duram “uma vida”, têm acabamentos de melhor qualidade, têm uma menor pegada ecológica, o grosso da fatia do seu preço vai para quem as concebeu e não para intermediários e são obviamente feitas em Portugal por portugueses.




UP: Quais são as principais dificuldades que sentem na realização do vosso trabalho?

No que se refere à reutilização de mobiliário e reciclagem de madeira, Portugal ainda está a “anos-luz”, em relação ao que, por exemplo, se faz no norte da Europa ou na Austrália.
As pessoas partem do princípio que o uso de madeira reciclada resulta obrigatoriamente em peças com um preço mais baixo, desconhecendo que esta madeira exige um tratamento complexo e dispendioso em termos de mão-de-obra para voltar a ser utilizada, com consequências para o custo na produção e preço final.

Julgamos também que ainda existe alguma discriminação em relação ao uso de materiais que foram obtidos a partir de obras de demolição ou encontrados na rua, considerando-se como sendo lixo e por consequência pouco digno.
Presentemente, julgamos que as pessoas já têm alguma consciência do peso da pegada ecológica, mas ainda não assumem a responsabilidade de contribuir para a sua redução, adquirindo bens feitos com mão de obra barata, sem questionar a origem da matéria prima, muitas vezes com um tratamento desadequado dos resíduos resultantes do seu fabrico e de fraca durabilidade.
A Respiga tenta ser exatamente o oposto.




UP: Onde podemos comprar os vossos móveis e outros objetos criados por vocês?

Visitando a nossa oficina ou contactando-nos via e-mail, telefone ou nas redes sociais. Esporadicamente, participamos em feiras (por exemplo, a feira do Jardim da Estrela) e em exposições (em dezembro estaremos na Quinta dos Caniços).
Temos ainda algumas peças “espalhadas” em restaurantes e bares aqui na Parede.


UP: Para terminar, onde podemos encontrar mais informação sobre a Respiga?

Além do nosso site, estamos no Facebook, Pinterest e Instagram.




Subscrever a Newsletter

Partilha:

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.