Um ano depois do terramoto de Lisboa a população, a viver em grande pobreza, lançou pela cidade um grande peditório.

Terramoto de Lisboa

No dia 1 de novembro de 1756, um ano depois do terramoto que destruiu grande parte de Lisboa, a população a viver em grande pobreza lançou pela cidade um grande peditório. Batiam à porta e pediam: “Pão, por Deus”.

Com o passar dos anos, tornou-se num peditório de crianças que iam de casa em casa pedir e recebiam frutos secos, bolos, romãs e pão.
Nos dias de hoje, a tradição espalhou-se por todo o país e as crianças vão também, de porta em porta, pedir doces enquanto cantam esta canção:

Bolinhos e bolinhós
Para mim e para vós,
Para dar aos finados
Que estão mortos e enterrados
À bela, bela cruz
Truz, Truz!
A senhora que está lá dentro
Sentada num banquinho
Faz favor de s’alevantar
Para vir dar um tostãozinho.


Quando abrem a porta cantam:

Esta casa cheira a broa,
Aqui mora gente boa.
Esta casa cheira a vinho,
Aqui mora um santinho.


Quando não abrem a porta cantam:

Esta casa cheira a alho,
Aqui mora um espantalho.
Esta casa cheira a unto
Aqui mora algum defunto.


As pessoas que abrem a porta oferecem rebuçados, chocolates, bolos, broas, castanhas ou mesmo moedas.

Subscrever a Newsletter

Partilha:

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.