A jardinagem alivia sintomas de doenças como o cancro, a demência e problemas de saúde mental, defende um relatório do King’s Fund.

Jardinagem

Os médicos deveriam prescrever jardinagem mais frequentemente a pacientes com cancro, demência e problemas de saúde mental, defende um relatório recente.
Espaços ao ar livre, como os jardins, podem reduzir o isolamento social entre os idosos, assim como ajudar a recuperar e a aliviar sintomas de doenças como a demência, informa o King’s Fund.
“[A jardinagem] faz profundamente bem às pessoas… é uma excelente forma de as manter ativas, ao ar livre e de manter a sua sensação de bem-estar muito elevada”, disse a ministra da Saúde Pública britânica, Jane Ellison, que apoia o plano que faria os médicos recomendar aos seus pacientes mais tempo no exterior e praticar atividades como a jardinagem de modo a aliviar os seus sintomas, explica o The Guardian.
Na opinião da ministra, há atividades físicas que trazem benefícios imediatos. “Estou a tentar colocar isto na agenda da demência e do cancro.”
Em Londres, já existem consultórios a prescrever jardinagem, como o Bromley by Bow Centre. Tem-se provado que esta actividade reduz as idas ao médico e às urgências, aumenta o bem-estar e ajuda a dormir melhor.

Este tipo de plano terapêutico considera a saúde mental e o bem-estar dos pacientes tanto quanto a sua saúde física, ao reduzir o isolamento social e fortalecer os vínculos da comunidade. Para David Buck, o autor do relatório, os programas de terapia social dão aos médicos a possibilidade de oferecer aos pacientes opções não clínicas em substituição ou juntamente com as clínicas.

Em Lambeth, em Londres, um grupo de pacientes, médicos, enfermeiros e residentes locais criou uma rede de jardins de legumes e frutas em 11 consultórios e outros centros de medicina geral – incluindo o hospital do King’s College –, onde os pacientes aprendem a cultivar alimentos que são depois vendidos ao hospital para a preparação das suas refeições. A instituição de caridade Horatio’s Garden planeou jardins no hospital de Salisbury para ajudar na reabilitação dos pacientes com lesões na coluna vertebral.

Ferramentas de jardinagem

Os jardins também podem reduzir os níveis de depressão, ansiedade, solidão e stress; ajudar a manter os idosos mais equilibrados; diminuir a agressividade dos pacientes; ajudar pessoas com doenças terminais e trazer benefícios para uma variedade de condições, incluindo doenças cardíacas e obesidade, diz o relatório, que foi encomendado pelo National Gardens Scheme (NGS).
“Há muito tempo que conheço os benefícios terapêuticos da jardinagem – não são precisos comprimidos para se sair para o jardim e desfrutar dele. É essencial…”, explica a presidente do NGS, Mary Berry.

George Plumptre, director executivo da NGS, disse que este relatório foi o primeiro a juntar todas as provas dos benefícios da jardinagem para a saúde física e mental.
“Esta poderia ser, no futuro, uma base muito importante para as políticas de saúde pública. São inúmeros os benefícios. Pela primeira vez, temos recomendações claras para uma política. Todos os jardineiros ativos sabem que [a jardinagem] faz bem, mas aquilo que não temos conseguido é fazer esse salto quântico para uma política pública”, disse.
Partilha:

Comentários:

1 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Tenho experiência disto; no meu caso (acidentes isquémicos) queriam internar-me para fazer cura de sono, pois não conseguia ler nem escrever. Foram dois anos assim e as melhoras vieram com ar livre junto ao mar e um jardim para tratar! Aconselho a todos!

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.