Se é vegan deve pedir ajuda a um nutricionista para planear da melhor forma a alimentação dos seus filhos.

Crianças a comer melancia

As dietas vegetariana e vegan são seguidas cada vez por mais pessoas – por razões éticas, de saúde ou outras. O vegetarianismo exclui a carne e o peixe e o veganismo (ou vegetarianismo estrito) exclui também os ovos, os laticínios e o mel.

O médico nutricionista francês Arnaud Cocaul, do hospital parisiense de Pitié-Salpetrière, autor de vários livros sobre nutrição, explica que uma alimentação vegan não apresenta nenhum risco vital para as crianças desde que sejam acompanhadas por um especialista e as carências diárias de vitaminas e proteínas sejam substituídas.
“Tudo é substituível, mas é preciso estar de olho. Sabemos que o ferro vegetal é menos bem assimilado na digestão do que o de origem animal, então a criança pode ter carências da vitamina B12. Vai ser necessário tomar suplementos porque a B12 é essencial para o fabrico dos glóbulos vermelhos”, explica. “As necessidades da criança evoluem conforme a idade. Por exemplo: um bebé não pode consumir muita proteína, mas precisa de uma dieta reforçada em lipídios, em gorduras.”

Recentemente surgiu uma polémica na Itália contra os pais vegans, depois de 4 crianças terem sido internadas com desnutrição e de uma delas ter sido retirada aos seus pais. A deputada Elvira Savino do partido de centro-direita Forza Italia apresentou um projeto de lei que pretendia criminalizar os pais que alimentam os seus filhos de acordo com dietas vegans, que seriam condenados a penas de 1 ano ou 2 anos na prisão se a criança tivesse menos de 3 anos. Este ano, no Brasil um casal vegan foi condenado a 7 anos de prisão pela morte do filho, por desnutrição e, em 2011, na França, um casal vegan foi condenado a 5 anos de prisão pela morte da filha de 2 anos, também por desnutrição.

Sobre o veganismo e a gravidez o nutricionista tem algumas reservas. “Sou contra mulheres grávidas continuarem vegans, porque há o risco de ser prejudicial para o feto. É claro que há bebés perfeitamente normais que nasceram de mães vegans, mas, em geral, costuma ser problemático para a criança”, afirma o médico. “Durante a gravidez, há períodos específicos, como o 3º e o 6º mês, nos quais o bebé é muito recetivo às práticas alimentares da mãe”.
A Associação Portuguesa de Nutricionistas estipula que, “uma alimentação vegetariana ou vegan, quando bem planeada e completa é adequada em qualquer fase da vida, desde o nascimento até à idade adulta, incluindo a gravidez e lactação. Este tipo de alimentação é capaz de fornecer todos os nutrientes que o seu filho precisa para crescer saudável. Mas atenção deve pedir ajuda a um nutricionista para planear da melhor forma a alimentação do seu filho, garantindo que nenhum nutriente é “deixado de fora”. Nutrientes como o cálcio, ferro, vitamina B12, vitamina D e zinco devem ser especialmente bem quantificados. No caso da alimentação vegan deverá ter especial atenção à carência em vitamina B12.”

Fontes: RFI, DN e CGN
Partilha:

Comentários:

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.