Myanmar baniu o abate de árvores lucrativo para combater a desflorestação que tem devastado as florestas valiosas do país.

Desflorestação em Myanmar

Myanmar baniu o abate de árvores lucrativo numa tentativa de reforçar a luta contra a desflorestação – uma luta que a líder da Liga Nacional pela Democracia, Aung San Suu Kyi, tem fomentado, segundo a Reuters.

As florestas de Myanmar estão entre os recursos naturais mais valiosos do país, mas têm sido devastadas pela exploração de madeira que ajudou a financiar o anterior regime militar que liderou o país durante 49 anos, antes das reformas terem começado, em 2011.

Em Abril de 2014, o país baniu a exportação de troncos de madeira para abrandar a desflorestação e impulsionar a sua própria produção. A percentagem de área terrestre coberta por florestas tinha diminuído de 58%, em 1990, para 47%, em 2010.
Apesar desta proibição, o abate de árvores ilegal tem prosperado no nordeste de Myanmar, onde as valiosas madeiras de pau-rosa e teca são contrabandeadas através da fronteira com a vizinha China, segundo a Agência de Investigação Ambiental (EIA).

“Temos vindo a reduzir a extração de madeira e agora decidimos parar, por completo, o abate de árvores, explica John Swe Ba do Ministério dos Recursos Naturais e Conservação Ambiental de Myanmar.
O abate de árvores legal também tem contribuído para a devastação do ambiente. “Os métodos de sobre-exploração incluem o abate de um maior número de troncos de árvores de uma espécie em particular e a extração de troncos com um diâmetro menor do que os recomendados”, de acordo com a EIA. “Deste modo, as práticas do sector florestal legal de Myanmar contribuem significativamente para a desflorestação e a degradação das florestas.”

Fonte: Reuters
Partilha:

Comentários:

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.