As propostas do BE, PAN e PEV para o Governo se opor à autorização do recurso ao glifosato na UE foram rejeitadas na Assembleia da República.

Utilização de glifosato na agricultura

As propostas do BE, PAN e PEV para o Governo socialista se opor à autorização do recurso ao glifosato (herbicida) na União Europeia foram rejeitadas, dia 15 de abril, na Assembleia da República.
As bancadas do PSD e CDS-PP votaram contra, o PCP a favor e o grupo parlamentar do PS absteve-se.

O único ponto das propostas apresentadas que acabou aprovado por unanimidade foi a alínea 3 do projeto do PAN que visa promover “a realização de programa de análise a águas superficiais, para verificação da presença de resíduos de glifosato”.

A licença que permite usar glifosato no espaço comunitário expira a 30 de junho e a Comissão Europeia (CE) propôs renová-la até 2031. Os países do norte da Europa são os principais oponentes da renovação desta licença por mais 15 anos, designadamente a França, a Itália, a Suécia e a Holanda. A favor da renovação está a Alemanha, que é a relatora da proposta de renovação da licença e a casa mãe de uma das principais empresas fitofarmacêuticas, a Bayer.

Uma sondagem da empresa britânica Yougov, tornada pública esta semana pelo The Guardian, revela que 2/3 dos cidadãos alemães, britânicos, italianos e franceses querem que o glifosato seja banido do mercado europeu.

Um estudo desenvolvido por um instituto de Munique revelou terem sido encontrados vestígios deste herbicida em 14 marcas de cerveja alemã. O estudo "Urina 2015" detetou vestígios de glifosato na urina de pessoas de 18 países.
A organização Avaaz reuniu a nível mundial uma petição com mais de 1,4 milhões de assinaturas contra a renovação da licença desta substância.

A Organização Mundial de Saúde declarou o glifosato como "carcinogénio provável para o ser humano".
Este é o herbicida mais vendido em Portugal, sendo comercializado em diferentes formulações por empresas como a Monsanto, Dow, Bayer e Syngenta e vendido livremente para o uso doméstico em hipermercados e outras lojas. É também usado pelas autarquias para a limpeza dos arruamentos.
A Plataforma Transgénicos Fora desafiou as autarquias a aderir à iniciativa "Autarquias Sem Glifosato”. Até agora apenas 8 freguesias e 4 câmaras assumiram formalmente esse compromisso.

Fontes: Expresso, Sapo Lifestyle e Rádio Monsanto
Foto: AFP
Partilha:

Comentários:

2 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Desta máfia de salafrários não sei quem pode esperar algo diferente? Espera... Até que sei! Os irresponsáveis que andam a votar em salafrários e a sustentar o actual sistema.

    Claramente adoramos o que temos.

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.