Pão roxo

Segundo Zhou Weibiao, cientista e professor da Universidade Nacional de Singapura, o pão branco tem estado “sob ataque” nos últimos 10 anos. Isto deve-se ao facto de ser digerido muito rapidamente e de causar picos de açúcar no sangue. E, como é digerido tão rapidamente, as pessoas comem mais do que deviam.

Foi por estas razões que Zhou inventou um pão roxo, rico em antioxidantes, e feito apenas com ingredientes naturais, que é digerido 20% mais lentamente do que o pão normal.

Este pão púrpura, aclamado como o primeiro super alimento cozido, foi criado usando antocianinas extraídas do arroz preto. As antocianinas fornecem o pigmento das uvas, amoras, da batata-doce, entre outros. Para além de dar cor a estes alimentos, as antocianinas são ricas em antioxidantes, que reduzem a inflamação, previnem doenças cardiovasculares, diminuem o risco de obesidade e diabetes e previnem o cancro.
“Está a comer a mesma quantidade de amido e farinha de trigo, por isso o valor nutricional é o mesmo. A ideia chave, aqui, é libertar energia mais devagar, de modo a que se usem essas calorias por um período maior de tempo”, explica o cientista.
Cerca de 80% dos antioxidantes e outros nutrientes resistem às temperaturas altas do forno (mesmo a 200° C), tanto na côdea como no miolo do pão.
“O desafio era ver se conseguíamos mudar a fórmula do pão, sem mudar a textura macia do pão branco que as pessoas adoram”, conta Zhou à CNN.
O pão roxo ainda não está disponível no mercado, mas Zhou afirma ter sido contactado por algumas marcas.
“Se quer desfrutar da textura do pão branco e tornar a sua digestão mais lenta, esta é provavelmente a melhor fórmula. E a cor também não é má”, diz Zhou.

Fonte: Natural Society e CNN

Pão roxo
Partilha:

Comentários:

0 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.