Ostras com microplástico

Segundo um estudo publicado a 2 de fevereiro de 2016 na revista americana PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences), as ostras e outros moluscos marinhos podem estar a ser ameaçados pelos microplásticos nos oceanos.

Os microplásticos (partículas com menos de 5 mm de diâmetro) provêm de peças de plástico à deriva no oceano (sacos, garrafas, embalagens, etc.), que se fragmentam com o efeito das correntes e dos raios UV. Também são provenientes de resíduos industriais do sector cosmético (exfoliantes, dentífricos) e do vestuário (fibras sintéticas) que os utilizam em grande escala.

O estudo foi realizado pelo LEMAR (Laboratoire des Sciences de l’Environnement Marin), o Cedre e o ILVO (Bélgica).
Entre 4 a 12 milhões de toneladas de plástico são despejadas todos os anos no oceano. Até 2025, a produção de plástico vai aumentar em 10 vezes.

“É preciso melhorar a reciclagem de plástico”, enfatiza Arnaud Huvet, biólogo membro do LEMAR. “Também é igualmente essencial que os consumidores modifiquem os seus comportamentos ao escolher menos produtos plásticos descartáveis. As normas de tratamento de água deveriam, também, evoluir. A proibição de sacos de plástico é um primeiro passo numa direção melhor.”

Fonte: Ifremer
Partilha:

Comentários:

2 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Boas!

    Pode ser que as ostras consigam evoluir e começar a aproveitar o plástico e incorporar o mesmo na produção das pérolas... Saindo no final um belo fio de plástico com pérola incluída!

    Imagina o dinheirão que não dará!

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.