A capital da Noruega, Oslo, está a criar uma “auto-estrada” composta por jardins e colmeias artificiais, para proteger as abelhas que se encontram ameaçadas.
Estamos constantemente a mudar o nosso ambiente para satisfazermos as nossas necessidades e esquecemo-nos de que outras espécies também vivem nele, afirma Agnes Lyche Melvaer, responsável pela organização norueguesa Bybi, que coordena este projeto. “Para corrigir isso é preciso devolver espaços aos insetos polinizadores, para que possam alimentar-se e viver”, acrescenta.

O projeto pretende envolver as pessoas na missão de oferecer às abelhas lugares seguros para se movimentarem e viverem em Oslo. A ideia é que todos plantem flores e instalem pequenos abrigos ao longo de um corredor que atravessa a cidade de norte a sul, ligando 3 grandes áreas verdes que já existem. No projeto estão envolvidas agências estatais, empresas, escolas, associações e pessoas singulares.
Os participantes são convidados a partilharem as suas contribuições no site do projeto, que mostra o mapa deste corredor dentro da cidade e está aberto a doações de todos os interessados em ajudar.

De todas as iniciativas já feitas ao abrigo do projeto (jardins no topo dos edifícios, largos espaços verdes, varandas e cemitérios floreados, colmeias artificiais, etc.) destaca-se a de uma empresa que cobriu parte do terraço do seu edifício com flores e duas colmeias onde vivem cerca de 45 000 abelhas.
Estima-se que entre 30% a 40% da produção de alimentos depende da polinização.
Devido ao uso dos químicos utilizados na agricultura, os insetos polinizadores estão cada vez mais ameaçados no mundo.
Agnes Lyche Melvaer acredita no “efeito borboleta”, Se conseguirmos resolver um problema mundial a nível local, talvez as medidas sejam aplicadas e funcionem noutros lugares, afirma.

Fontes: Expresso, Green Savers e The Gardian
Partilha:

Comentários:

3 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Respostas
    1. Olá Sónia,
      Recentemente, tenho visto abelhas caídas no chão; pesquisei um pouco e descobri que caem de cansaço devido ao facto de não haver jardins e de terem de voar distâncias tão grandes...
      Um abraço,
      Mab

      Eliminar
    2. Não fazia ideia :/ Aqui onde moro ainda há muitas flores, há muitos quintais, talvez por isso nunca tenha reparado em abelhas mortas no chão.

      Acho que nas cidades devia haver um movimento para florir as varandas e janelas, tornava as cidades mais bonitas e habitáveis para todos.

      Eliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.