A empresa suíça Nestlé foi processada nos EUA, acusada de utilizar marisco procedente de um fornecedor tailandês que recorre a trabalho escravo na produção de algumas das marcas da Purina, como o Fancy Feast (comida para gatos).

Compradores de comida para animais de estimação, juntamente com um distribuidor de comida congelada (Thai Union Frozen Products), processaram a multinacional, alegando que a comida tem origem em trabalho escravo. Os consumidores de Fancy Feast do estado da Califórnia afirmaram que não teriam comprado o produto se soubessem que parte dos ingredientes destes produtos procedia de trabalho escravo.

Homens e crianças, vítimas de tráfico de seres humanos do Camboja e Myanmar, são vendidos a capitães de barcos pesqueiros, autênticas prisões flutuantes. Estas pessoas chegam a trabalhar em turnos de 20 horas diárias, em troca de uma remuneração mínima ou nula, e são vítimas de agressões, em alguns casos fatais, quando o trabalho não é considerado satisfatório.
A Tailândia exporta anualmente 7 mil milhões de dólares em marisco.
Estas denúncias já levaram à libertação de pelo menos 2 mil trabalhadores escravizados nesta indústria.

Fonte: UOL Notícias
Partilha:

Comentários:

1 comentários. Diz-nos o que pensas

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.