Um estudante de Viena, Max Schrems, iniciou um processo contra o Facebook. 
Após algumas tentativas, conseguiu um CD com toda a sua informação armazenada durante os 3 anos em que fez parte desta rede. Quando impresso, o conteúdo do CD formou uma pilha de 1200 páginas! Todo o material - histórico de chats, pokes, pedidos de amizade, morada, religião, familiares, etc. - classificado em 57 categorias. Além desse material, mesmo as mensagens, fotos e outros arquivos que tinha apagado continuavam armazenados nos servidores do Facebook

Quando questionado sobre isto, o Facebook afirmou que apenas "removia da página" e não "apagava" a informação. Isto significa que, quando algo é publicado no Facebook, jamais é eliminado.
"Quando eliminas algo do Facebook, o que acontece é que escondem para que não vejas mais", explicou o estudante de direito, indicando que cada vez que se escreve para uma pessoa naquela rede social, "na realidade está-se a escrever para duas". Para o Facebook também. 
"O Facebook sabe mais de nós do que a KGB [a polícia secreta da União Soviética] sabia sobre qualquer cidadão normal", disse. 
Após descobrir que o Facebook possui servidores na Irlanda, Schrems abriu 22 queixas contra a rede social no Irish Data Protection Commissioner, um órgão deste país. 

Para se poder acompanhar o caso, o estudante de direito criou o site "Europe versus Facebook".
Partilha:

Comentários:

1 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Como se os drogados em Facebook estivessem preocupados com a "privacidade dos dados" eheh

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.