"A Terra tem 4500 milhões de anos. O Homo Sapiens cerca de 200 000 anos. O dia da Terra tem cerca de 40 anos e nasceu  em Santa Barbara, Califórnia.

A 28 de Janeiro de 1969, uma plataforma petrolífera do Pacífico derramou  757 000 litros de crude  no mar durante 11 dias. Milhares de aves, golfinhos e focas do Canal de Santa Bárbara foram arrastados para a costa, cobertos de petróleo. Com este desastre nasceu um movimento ecologista sem precedentes, que um ano mais tarde viria a criar a festa em comemoração da Mãe Terra, agora adoptada a nível mundial. A 22 de Abril passou-se, então, a comemorar o Dia da TerraTambém serviu para consciencializar a comunidade e para dar à luz o Conselho Ambiental da Comunidade (CEC Community Environmental Council em inglês), uma organização dedicada à protecção do ambiente.
Selma Rubin (28/03/1915 – 9/03/2012) a co-fundadora do Dia da Terra, salvou uma zona costeira da construção de 1.535 casas, nos anos 70. Nessa altura, não havia nenhuma lei sobre a protecção ambiental. Se essas casas fossem construídas teriam criado um efeito dominó de construção e teriam mudado o perfil da costa central da Califórnia, que é hoje, uma grande atracção turística. O terreno que Selma salvou, serve como exemplo do que a comunidade pode fazer para defender o seu património natural.

Como o mundo mudou nestes 40 anos! A população mundial aumentou de 3680 milhões para cerca de 7000 milhões (quase o dobro!), a temperatura média aumentou .06 graus e a neve do Kilimanjaro, sobre a qual Ernest Hemingway escreveu em 1952, quase desapareceu.
Em 1979, descobriu-se um buraco com 1 milhão de km2 na camada de ozono. Em 2006, o buraco atingiu 27 milhões de km2. Os Clorofluorcarbonetos (inventados por DuPont em 1928 como refrigerantes) pareciam ser a invenção do século: baratos de produzir e, ao contrário das soluções anteriores, não eram venenosos. Mas finalmente a solução saiu-nos cara, especialmente para aqueles que sofreram de cancro da pele. Deixaram de se produzir em 1996, mas continuaram a aumentar o buraco até 2006. Agora parece que a camada de ozono começa a dar sinais de recuperação.

Hoje sofremos a mesma luta com a verdade dos efeitos das emissões de CO2 e o efeito de estufa. A questão é, apesar de se poder duvidar ou negar que a Terra esteja a aquecer por causa da actividade humana, o que perdemos por deixar uma pegada menor sobre o planeta e por diminuir a poluição? As formigas todas juntas têm uma biomassa maior do que a dos seres humanos e começaram a sua revolução industrial, há milhões de anos. Por que não podemos fazer como elas, ao invés de contaminar o solo, fertilizá-lo? Por que temos de fabricar objectos com substâncias tóxicas, se podemos não as usar?

A boa notícia é que, após 40 anos do Dia da Terra somos muito mais conscientes. Temos muitas soluções para criar energia renovável, para mudar os nossos hábitos baratos a curto prazo, mas caros a longo prazo, para outros dignos do século XXI, para manter a nossa qualidade de vida e a dos nossos filhos, netos e bisnetos.
Ao fim ao cabo, a Terra não precisa de nós. Se cuidarmos do ambiente, da biodiversidade, dos rios e oceanos, fazemo-lo por nós. Se reduzirmos as emissões de CO2, por exemplo, beneficiaremos os nossos pulmões. O que temos a perder?"

Isaac Hernández
Traduzido do Jornal El Mundo


Subscrever a Newsletter

Partilha:

Comentários:

6 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Cada vez mais acho que os abusos sobre o planeta não vão parar. Há muito lucro em jogo...

    ResponderEliminar
  2. Excelente post!
    Feliz Dia da Terra, Mab!

    "Eu amo a Terra,
    todo o azul do mar,
    pontes incríveis,
    ver tubarões saltar..."
    XD

    ResponderEliminar
  3. Olá GaSPaS,
    é verdade...mas no Dia da Terra temos que celebrar as pequenas coisas boas que se vão fazendo!
    Um abraço,
    Mab

    ResponderEliminar
  4. Olá Puck,
    Obrigado!O vídeo é realmente muito divertido!!
    "Umpiara, Umpiara, Umpiara"

    ResponderEliminar
  5. Olá Cristina,
    já é um bocadinho tarde ...mas Feliz Dia da Terra também!

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.