Eu queria ser o Mar de altivo porte
Que ri e canta, a vastidão imensa!
Eu queria ser a Pedra que não pensa,
A pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o Sol, a luz intensa,
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu queria ser a Árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão e até da morte!

Mas o Mar também chora de tristeza...
As árvores também, como quem reza,
Abrem, aos Céus, os braços, como um crente!

E o Sol, altivo e forte, ao fim de um dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as Pedras... essas... pisa-as toda a gente!

Florbela Espanca


Partilha:

Comentários:

7 comentários. Diz-nos o que pensas

  1. Obrigado! É realmente um poema muito bonito!=)

    ResponderEliminar
  2. Adoro Florbela Espanca... Tb sou poeta e ela foi grande inspiradora do meu jeito de escrever!!!

    ResponderEliminar
  3. Se quiser mostrar um dos seus poemas aqui, teria muito gosto!

    ResponderEliminar
  4. Ok... Mas tipo, fico com receio n por vc!!! Mas é q n são registrados... Fico meio com medo de cópias n autorizadas!!! O q vc me diz?

    ResponderEliminar
  5. Pois realmente é verdade. Se quiser pode sempre usar o email deste blog: onossoplaneta@hotmail.com

    ResponderEliminar

Obrigado pelo comentário! Respeite os outros leitores. Comentários ofensivos ou com linguagem imprópria serão eliminados.